quinta-feira, 25 de abril de 2013

Capitulo 1


Quando se sente que não se é bem vinda à vida de uma pessoa que conhecemos desde sempre, dá-nos vontade de nós matarmos ou desaparecer para sempre do lugar onde estamos. É um sentimento que nos corroí a alma e nos destrói por dentro a cada minuto que passa.

Eu sentia isso sempre que estava do lado dos meus pais. O orgulho que sempre sentia de mim quando conseguia realizar um objetivo imposto por mim mesma na minha vida, desaparecia sempre que eu chegava perto de casa e via o olhar de desprezo que minha mãe e o meu pai me lançavam. O meu próprio orgulho e amor próprio acabavam por ruir em menos de segundos.

Quando eles morreram assassinados por causa de um assalto num banco aqui em Nova Iorque eu prometi a mim mesma que nunca faria o que eles fizeram comigo a quem quer que seja.

Era horrível a dor que se sentia quando se era desprezado por quem supostamente havia de te amar mais que tu.

Essa dor ainda estava marcada em mim, mas eu fazia e faço de tudo para que ela não me atrapalhe ou até mesmo que acabe com o futuro que eu tanto batalhei para ter.

Desde então resolvi deixar todas as lembranças más e completamente devastadoras para trás e seguir em frente sem nunca olhar para trás.

Aos 23 anos havia acabado meu curso de medicina logística e de Investigadora e acabei por entrar no departamento mais conceituado de Nova Iorque.

O FBI é como uma segunda casa para mim, desde que eu aqui entrei sempre foi notada como uma das investigadoras mais conceituadas. Já que eu tinha muitas ambições e sempre conseguia terminar um caso antes do tempo exigido.

Queria mostrar a todos o que eu era e sou completamente profissional, e boa no que eu faço. Em poucos meses virei a Investigadora mais procurada do meu ramo e considerada a Mulher Mais Poderosa do Mundo do Crime pela a revista Citynews.

Mesmo sem atuar ou cantar eu era uma figura publica mesmo que eu não queira. Muitos perguntavam o porquê de eu não ter seguido a carreira de Modelo ou até mesmo de atriz, mas era algo tão fútil que eu simplesmente descartava a ideia de algo tão revelador para mim.

Em três anos de carreira consegui o que muitos no meu lugar queriam e querem, mas nunca tiveram a mesma coragem que eu.

Eu apostava e aposto alto em todos os meus trabalhos e sempre venço.

Medalhas de mérito.

Dinheiro

Respeito

Estabilidade (no trabalho e na minha vida pessoal)

Não posso dizer que vivo rodeada de amigos ou amigas, mas tento ao máximo ser simpática com todos os que me rodeiam. Mesmo sendo considerada uma mulher fria e calculista eu sempre tive o maior cuidado com todos os que me rodeiam e em quem eu realmente confio a minha vida.

Ashley, Megan e Kristen, fazem parte da minha equipa desde que eu aqui cheguei. Haviam sido escolhidas a dedo por uma equipa mais experiente e até hoje sempre nos demos bem.

São talentosas e respeitam-me, não são como metade das meninas daqui que me olham, me avaliam e inventam mentiras a meu respeito. Não que eu ligue ao que elas dizem, mas dói saber que muitos não estão contentes com o meu trabalho.

(...)

Estávamos numa reunião com o conselho á mais de uma hora. Andavam a ocorrer assassinatos em torno da cidade de Nova Iorque e o mais recente foi no centro da cidade. Todos os assassinatos eram grandes políticos ou até mesmo barrões do trafico de droga o que era bem esquisito. Não havia um padrão certo ou até mesmo um perfil que batesse certo para podermos atuar da melhor maneira.

- Bom eu vou colocar a Vanessa a liderar a investigação. O mais tardar amanhã receberá mais pormenores dos acontecimentos.

Eu sorri satisfeita pela confiança que o meu chefe estava a depositar em mim. Eu já havia liderado uma investigação
menor do que esta. Desmantelar uma rede de trafico de menores entre os EUA e a Europa o que foi básico para alguém que
só estava no começo da sua carreira. Este era mais complicado e pelo que eu soube não há armas, impressões digitais ou até mesmo sangue do agressor para podermos lidar melhor com este desafio.

Os crimes não são considerados perfeitos, mas quem quer que seja que esteja a causar estas mortes sabe como não deixar nenhuma marca ou detalhe do que quer que seja.

POV em 3ªpessoa

Longe da sede do FBI trabalhava arduamente para apanhar o culpado pelos homicídios que haviam acontecido nestes últimos tempos um grupo de amigos comemoravam mais uma vitória.

Numa casa grande e bastante bonita nas fronteiras de Nova Iorque estava um grupo de homens entre os 20 e os 27 anos a chegar e a festejar mais um trabalho bem sucedido.

- Cara este foi um dos melhores trabalhos que nós já fizemos. - Um loiro de olho azul piscina comentou com o homem que estava sério com uma expressão fechada e seu maxilar estava travado o que deixou os companheiros apreensivos com a sua reação depois de mais um trabalho bem sucedido - O que se passa? - Ele parou o amigo com a mão e viu que ele encarava a casa sem nada ver. Estava distante e divagava entre duvidas e certezas.

- O FBI já esta com o nosso caso em mãos. A tal de Vanessa Hudgens irá liderar as investigações. Temos que impedir que ela prossiga com este caso. Não podemos ser apanhados. - Ele falou decidido e entrou na enorme e imponente casa deixando todos os companheiros para trás com um ar confuso e amendroentado.

A famosa investigadora do FBI que mesmo só com três anos de profissão e já havia resolvido vários casos. Isso os metia medo sentimento que eles nunca sentiram. Caminharam todos em silencio para dentro de casa onde viram o amigo a beber uma dose de uísque agarrado á irmã mais nova que estava feliz ao seu lado.

- Meninos eu sei que vocês chegaram á pouco tempo, mas preparem-se teremos que apanhar a investigadora mais famosa do FBI e as suas amiguinhas. - A menina de olhos azuis mar pulava no sitio de tanta era a sua euforia e adrenalina que corria em seu corpo.

- Kate já disse para você não se meter mais nisso. - O loiro sentou-se no sofá colocando a cabeça no encosto e sua cabeça tombou para trás mostrando sua fadiga. - Iremos apanha-la nem que seja a ultima coisa que eu faça.
A sala permaneceu em silencio perante a ameaça que o chefe do grupo fez. Eles sabiam que algo nessa nova “missão” iria fazer com que a vida deles muda-se completamente.

(...)

POV Vanessa

As meninas da minha equipe estavam sentadas na minha sala e com uma caneta e um bloco de apontamentos na mão á espera que eu falasse algo. As provas que o nosso chefe disse que mandaria ainda não tinham chegado por isso decidi começar do zero antes que eles decidissem atacar novamente.

- Quero que vocês explorem a fundo cada homem que morreu nesta onda de homicídios recentemente. Moradas, profissões, familiares, telefonemas, e-mail’s tudo. - Elas assistiram e apontaram o que cada uma iria investigar.

- Vanessa também podemos ver as câmeras de vigilância se houverem no local onde foram encontrados. Para ver como os assassinos atuam perante estas situações. –Megan sorriu orgulhosa do seu racicionio. Eu também estava orgulhosa da minha equipa.

- Sim faça isso. - Ela corou com a aprovação da sua ideia e passou a mão em seus cabelos loiros puxados para trás num coque perfeito.

Queria que meus pais tivessem feito o mesmo comigo.

- Podemos ir Vanessa? – Kristen sorria para mim naturalmente como todas sempre faziam e eu assisti. Fiquei novamente sozinha na minha sala enquanto via o sol desaparecer por de trás dos altos edifícios que rodeavam a sede do FBI e então peguei nas minhas coisas para poder pensar com mais clareza á cerca do caso e comer alguma coisa para pernoitar aqui no escritório.

Eu não vou descansar até que todos eles estejam presos.

Caminhei pela sede despreocupadamente até á entrada e pedi para me trazerem o meu carro. Enquanto esperava eu olhei para as ruas movimentadas e sorri fechando os olhos ouvindo o barulho alto dos carros e das motas que passavam na estrada principal, as vozes altas dos vendedores ambulantes, as vozes e assobios dos pedestres que estavam a caminho de casa para finalizar mais um dia.

O fim de mais um dia de trabalho e de luta para todos nós.

Quando o meu carro chegou conduzi despreocupadamente pelas ruas movimentadas de Nova Iorque até a uma campina bem no
Sul da grande cidade e parei.

Este é o sitio ideal para qualquer um pensar e refletir cada decisão que se toma.

Um pouco isolado de tudo e todos não?


Talvez mas a calma e tranquilidade que este sitio me passava colocava todo de lado e fazia com que o meu corpo tenso relaxa-se um pouco.

Sai do carro e caminhei um pouco até á falecia que lá havia, o vento fresco que corria fez os meus pelos do braço se arrepiarem, mas não me importei com tal questão só queria me sentar um pouco e olhar o sol se por no horizonte.

O meu pensamento voou longe, logo que vi o lindo por de sol que estava a formar dando o fim de mais um dia, dando lugar a mais uma noite sem lua ou estrelas apenas escuro.

Porque será que toda a minha vida tem que ser sombria?

Porque que não posso ter um lindo sol só meu para me poder aquecer?

Porque que sempre tinha que viver na solidão?

Será que a felicidade era inalcançável para mim ou eu estava procurando do lado errado?

O sol já estava desaparecendo na linda do horizonte quando decidi voltar para o carro e seguir novamente para a sede mesmo sem ter comido nada. Meu corpo estava um pouco frio devido á descida da temperatura e quando olhei em redor a escuridão já predominava a pequena mata densa por onde eu caminhava em direção á estrada principal.

Quando cheguei ao carro vi um homem alto e de cabelos revolto encostado ao meu carro despreocupadamente e num gesto de defesa peguei na arma que estava na minha cintura e mirei nele.

Vi que fumava um cigarro e quando ele se virou em minha direção ele o jogou no chão soltando o ar juntamente com o fumo de seus pulmões. A cena podia ser considerada excitante ou até mesmo erótica se não fosse estranha a forma como ele me encarava.

- Então você é a famosa investigadora do FBI? Não se acha delicada demais para uma investigadora? - O sorriso sínico combinava perfeitamente com o olhar distante e frio que ele me lançava juntamente com uma expressão de desgosto e desprezo. Sua expressão fez com que meu corpo e minha mente se encolhessem e as lembranças que eu tanto lutava apagar voltaram com a força toda. - Pode abaixar a arma eu estou desarmado é uma desvantagem desonesta não acha? - Ele desencostou do carro e eu abaixei a arma ainda com os olhos postos nele. Vi que ele deu a volta ao carro e sentou no capo do mesmo olhando o horizonte sem nada ver.

- O que você quer? - Ele sorriu ironicamente para mim e depois olhou para mim e vi que seu maxilar estava tenso delineando ainda mais seu rosto másculo e bonito.

- Quero que você se afaste do caso que acabou de pegar. – Ele se levantou lentamente e eu arfei quando vi que ele começou a caminhar para longe do carro e se colocou á minha frente. Levantei minha cabeça e encarei seus olhos. Olhos azuis brilhantes. Duas lagoas azuis frias. - Senão eu te caço até no fim do mundo e mato você sem dó nem piedade. –

Aquela ameaça foi um clique em minha cabeça e os ficheiros do caso que eu li esta tarde apareceram como um flash em minha mente. Eu estava perante o maior assassino de todos os tempos.

Eu poderia prendê-lo se não tivesse tão deslumbrada com esta figura alta e esculpida á minha frente

- E se eu não me afastar? - Vi os olhos azuis ficarem escuros de um momento para o outro mostrando sua irritação perante meu tom desafiador e petulante.

- Você pagará como todos pagam. - Ele saiu caminhando para longe de mim e ele pegou numa mota que ali estava a alguns metros do meu carro e saiu cantando pneu me deixando sozinha naquele canto tão silencioso e frio.

POV na 3ª Pessoa

O caminho que o loiro percorria para casa novamente era breve, já que o encontro com a investigadora não foi planeado simplesmente aconteceu. Ela estava debilitada ele via isso nos olhos dela, mas o que o deixou mais confuso foi o olhar triste que ela deu quando viu o desprezo nos olhos dele.

Quando ele chegou a casa viu sua irmã Kate estava á porta sorridente e saltitante como sempre com um pequeno Ipad em suas mãos.

- Descobri umas coisas sobre a investigadora. Ela morava em San Diego e se mudou para cá depois da morte dos pais á quatro anos atrás. Entrou no FBI e começou por baixo. Foi ficando conhecida devido á sua eficiência perante casos apresentados ao seu chefe. - Ela falava sem parar, mas o loiro apenas acenava perante as informações ele se viu querendo saber mais daquilo que a sua irmã contava. Queria saber o porquê do olhar perdido perante o desprezo dele. -
Ei to falando com você Zac! - O loiro olhou para a irmã que parecia confusa perante a distração. - Está tudo bem? - A preocupação marcava a voz da irmã mais nova.

- Sim Kate, só preciso que você investigue todo o passado antes do FBI da Vanessa. Tudo mesmo. Antigas escolas, os parentes ainda vivos, a causa da morte dos pais. Tudo. – Depois de dar um beijo na testa da sua irmã entrou em casa subindo para seu quarto.

O que será que a Investigadora tanto esconde?

3 comentários:

  1. AAAAAAAAAAAAAAA
    Amooooooo essa fic!
    Capítulo perfeitoo!
    Posta logo
    Bjos amorê

    ResponderEliminar
  2. uhhmm....interessante e boooom.posta logo

    ResponderEliminar